Ciclistas inauguram cartão postal com piquenique em São Paulo

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=xWQAB_VTtEA]

vídeo: ciclobr / trilha sonora: plá

foto: henrique parra / cmi

Ao contrário do que diz (este informe publicitário) esta matéria, os primeiros veículos a passar sobre a ponte estaiada Jornalista Roberto Frias (o Estilingão) tinham apenas duas rodas, não faziam barulho, nem soltavam fumaça.

No último sábado (10), por volta das 11h30, cerca de 40 ciclistas demonstraram o que é fluidez no tráfego, se anteciparam ao congestionamento de carros velhos e fizeram um piquenique no cartão postal.

Ao mesmo tempo, outras 40 pessoas explicavam para a  seleta audiência do andar superior que o Estilingão serve, na verdade, para catapultar os pobres para bem longe dali.

O piquenique só foi interrompido para a foto oficial, quando um barulhento desfile celebrou as políticas urbanas e sociais do século XIX, ainda vigentes em São Paulo de 2008.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=LWO5ccpnL0Q]

fotos:
cartões postais
ciclobr
ecologia urbana – 1
ecologia urbana – 2
estilo ramy / cmi
henrique parra / cmi
kit / cmi
isaumir nascimento / cmi
luddista
pedalante
pollyrosa

vídeos:
bicicletas inauguram ponte octavio frias
vídeo – ponte estaiada de dentro do carro (só em câmera lenta para conseguir “ver” o monumento)
Entrevista com vereador sobre a ponte estaiada

relatos com fotos:
ciclobr
contraponto e fuga
ecologia urbana
gira-me
isaumir nascimento / cmi
o escriba
fue inaugurado el estilingão
el puente de los milagros

mídia corporativa:
Inauguração da ponte tem protesto por moradia e ciclovias (G1)
Ponte estaiada é inaugurada em clima de campanha (OESP)
Ponte estaiada Octavio Frias de Oliveira é inaugurada em SP (FSP)
matéria sptv (globo)
matéria em vídeo da Folha de SP
matéria do Jornal Nacional (globo)
maluf sobre a ponte estaiada (programa CQC)
matéria de André Pasqualini no G1
programa pânico

textos e divulgação:
Um monumento à sociedade do automóvel
piquenique no estilingão
Residencial Vladimir Herzog
Bom, só para quem tem carro

19 Comments

  1. Posted 11/05/2008 at 21h58 | Permalink

    é tiroteio nesse segundo vídeo!?

    Eu preferi a inauguração extra-oficial! ehhee

    abs

  2. Posted 11/05/2008 at 23h34 | Permalink

    Ótimo protesto. Fico feliz em saber que não sou o único ser neste mundo que ainda sonha ver pessoas andando de bicicletas no lugar de automóveis em cidades como São Paulo.

  3. Posted 11/05/2008 at 23h39 | Permalink

    Maravilha, sensacional.

    Pena que não pude participar da Marcha de Pedal.

  4. Posted 12/05/2008 at 0h28 | Permalink

    muito bom muito bom muito bom….invsão das bicicletas…lindo lindo….
    Parabéns pela iniciativa!!!!! O vídeo tá d+….

  5. nós
    Posted 12/05/2008 at 4h20 | Permalink

    ação é muito legal…união do nós se firmando neste abismo de eu q se tornou o sonho deles.mortinho sonha só.nós sonha é tudojunto e vamos assim pedalando os sonhos um dia de cada vez.lindos…

  6. Eduardo
    Posted 12/05/2008 at 8h40 | Permalink

    Legal. Até o Pânico mostrou umas rápidas imagens dos ciclistas.

  7. Leonardo Cuevas
    Posted 12/05/2008 at 9h40 | Permalink

    Simplesmente um Luxo.

    Ciclistas Mascarados, avante!

  8. Peters
    Posted 12/05/2008 at 10h49 | Permalink

    Sensacional.

  9. Posted 12/05/2008 at 12h26 | Permalink

    Parabéns, sensacional! E os vídeos ficaram ótimos!

    No link para a matéria do SP TV, tem uma entrevista um pouco depois com um “especialista em engenharia de tráfego”, Horácio Figueira. Apesar de não estar muito convencido de que as bicicletas são muito mais que um quebra-galho, ele tem opiniões bastante interessantes sobre o transporte público. Notem que a entrevistadora é a Carla Vilhena, aquela que foi de bicicleta para o trabalho dia desses…

    Ele diz o seguinte:

    “Numa faixa de ônibus, você consegue transportar 10, 15 mil pessoas por hora, como tem na Rebouças, Consolação, 9 de Julho, Av. Ibirapuera. Na mesma faixa de automóvel, você consegue transportar no máximo mil, 1.500 pessoas por hora. Então, o corredor ele é eficiente sob o ponto de vista econômico, ambiental e de engenharia de transporte.

    Então, se a gente quer uma cidade saudável pra que a gente viva, more, trabalhe – enfim, ter as atividades normais do dia-a-dia, a gente vai ter que abrir mão da nossa individualidade e um pouquinho do nosso egoísmo, né? e passar a usar o transporte coletivo.

    Você vai conseguir atrair todas as pessoas pro transporte coletivo? Não, mas se você conseguir tirar 30-40% pra um sistema de ônibus decente e pro sistema de metrô, que atende, mas precisa de mais trens, né? – que foi um outro erro do governo do estado, eles demoraram 33 anos, que é a idade que tem a linha norte-sul, pra começar a comprar o primeiro trem novo! Os trens que estão rodando aí tem 33 anos de idade e a demanda já foi triplicada, e não foi colocado nenhum trem a mais, então você precisa dar oferta…”

    Nesse momento há uma interrupção da Carla Vilhena, para puxar o assunto a um ponto sobre o qual ela queria perguntar, que pela dificuldade na escolha de palavras me pareceu que estava fora do script:
    - É, quando há qualquer problema no metrô, o trânsito também bate recordes, né? – Sim, responde ele enquanto ela continua o discurso: – Então também, não-não se pode deixar que o metrô que já está aí não funcione a contento, né? Agora, é… [percebam o receio em tocar no assunto, a dificuldade em falar dele, mas a coragem de abordá-lo] quando a gente… pensa em alternativas, né? a gente tem aí corredores de ônibus, construção de metrô e tal, agora, é-é possível também criar… é, meios de transpor… meio… outros meios, [rápido sorriso, transparecendo a opinião dela sobre o assunto] mesmo *muito* alternativos e muito mais saudáveis, como ciclovias… é… acessos a ciclovias, por exemplo, pela marginal pinheiros, isso… é…
    - Sim, responde o especialista, enquanto ela conclui:
    - Poderia ser um… não uma solução, mas poderia ser uma alternativa também, né?

    - Sim, responde ele, com um posicionamento favoravel mas ainda não totalmente convencido – eu chamo isso de “micro alternativas” para interligar com estações de trem, metrô, terminais de ônibus, shopping centers, escolas, faculdades, que você tenha pelo menos um tratamento no sistema viário com ciclovia ou ciclofaixa, porque você colocar o ciclista no trânsito agressivo como é hoje, é… você coloca em risco a… segurança dele, então… esse é um tipo de transporte interessante, [rápida mudança para outro assunto que lhe importa mais] e voltarmos a incentivar a questão do ônibus menos poluente, o ônibus elétrico, que praticamente foi eliminado de várias vias da cidade de São Paulo, né? E tem…

    - É, – interrompe ela – que também, aliás, andava sucateado e quando enguiçava provocava também um outro caos!

    - É, problema de manutenção… Sim… Mas você tem ônibus elétricos…

    - Então a gente tem que pensar em outra… de uma outra forma, mas colocar algum sistema moderno, né?

    - Sim, que ele funcione sem tantas falhas, e tem outra coisa que você pode fazer com que o ônibus ande: Curitiba implantou há 30 dias, é… o se.. o semáforo atuado pelo ônibus, o ônibus conversa eletrônicamente o semáforo e diminui o tempo de parada em semáforo e diminui em 30% o tempo de viagem para os usuários. Essa medida foi implantado em Londres há 30 anos atrás com sucesso, Curitiba agora depois de 30 anos… e em São Paulo ainda estamos pensando se vamos incomodar o usuário de carro, então chegou a hora da decisão: prioridade pro transporte coletivo.”

  10. Posted 12/05/2008 at 12h45 | Permalink

    Diz o G1 que as pessoas “estão se arriscando” para conhecer melhor a obra.
    http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,MUL465694-5605,00.html

    Se tivessem pensando nas pessoas e não apenas nos carros, elas não precisariam se arriscar. Quem as põe em risco não são elas próprias e sim os responsáveis pelo projeto de uma ponte exclusivista, que só se preocuparam com o tráfego e a segurança de quem pode – e quer – andar de carro.

  11. Márcio Campos
    Posted 12/05/2008 at 15h36 | Permalink

    Quem não foi, não imagina o que perdeu! Eu estava com 3 horas dormidas só, mas de imaginar o sono sumiu; fui e valeu cada segundo, coisa pra lembrar para sempre, pra contar para os netos, pra escrever no currículo, hahaha…Não teria programa melhor pra sábado de manhã do que uma inauguração assim…Inauguração das consciências anestesiadas !!!

    E já não é por acaso que começam a pipocar pela mídia opiniões convergindo lentamente para tudo isso que é discutido aqui no Apocalipse. Créditos ao Luddista.

    Grandes guerras também são feitas de inúmeras escaramuças…com soldados anônimos.

    E viva os ciclistas mascarados !!!

    Márcio Campos

  12. Claudio Ribeiro
    Posted 12/05/2008 at 19h41 | Permalink

    Fiquei imaginando a cara da gcm, que barrou o ciclista quando o “cumpanhero” dela liberou o acesso…deve ter rolado um bate-boca entre eles…

    Moçada, parabéns !

    trabalho ali perto e fiquei torcendo, mas torcendo muito mesmo, pra dar um engarrafamento monstro em cima daquela porcaria !

    mas hei de conseguir tirar uma foto daquilo lotado e parado de carro !

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    parabéns aos malucos de duas rodas !

  13. Posted 12/05/2008 at 20h38 | Permalink

    Muito bom!! Parabens pela iniciativa!

  14. Danilo
    Posted 12/05/2008 at 22h23 | Permalink

    http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,MUL465374-5605,00.html

    Mas esta matéria no G1 foi mais positiva.

  15. Thiago
    Posted 13/05/2008 at 16h47 | Permalink

    hjahaha
    q ótimo!!!

  16. Chantal
    Posted 13/05/2008 at 22h14 | Permalink

    Thiago!!! Muito bom o relato, fotos e o vídeo. Completa o relato anterior. Deu pra passar o filminho delicioso na cabeça novamente… Tenho visitado esse endereço cada vez mais. Beijos e parabéns!

  17. Posted 15/05/2008 at 9h26 | Permalink

    Muito bom!!! E ainda com música do Plá!

    (surpreenderam tb os prediões, que parecem bem pertinho da favela de antes de chegar na ponte – que contraste!)

  18. raul
    Posted 15/05/2008 at 23h05 | Permalink

    tudo é espetáculo, segundo o guy debord

  19. Posted 30/07/2009 at 19h51 | Permalink

    o tem como mada aqui na içara em.

8 Trackbacks

  1. By Projetos Urbanos » Estilingão on 12/05/2008 at 9h27

    [...] Also see: http://apocalipsemotorizado.net/2008/05/11/ciclistas… [...]

  2. [...] Tudo isso a um custo estimado de US$ 22 bilhões. Enquanto isso, em São Paulo, inauguramos mais uma ponte na semana passada, que proibe pedestres, ciclistas e ônibus de a [...]

  3. [...] Não deixe de ler a sensacional cobertura da mega obra paulista, só para carros, pelo  Apocalipse Motorizado. [...]

  4. [...] de semana com pompa e circunstância e matérias elogiosas dedicadas a ela por Folha e Estadão. O protesto feito por grupos contrários à obra, que preferiam ver os milhões gastos em ciclovias, despoluição do rio Pinheiros, etc, foi [...]

  5. [...] (adoraria ter ido, mas 9 da madrugada para mim não rola), dêem uma olhada no relato do Tiago (aqui), no convite do picnic dos Urbanistas (aqui) e no texto do Willian analisando alguns pontos da [...]

  6. [...] dia seguinte, a insistência paulistana em privilegiar o automóvel inaugurou mais uma ponte para um futuro suicida. Sob protestos, a fantasia milionária da Ponte Estaiada entrava em cartaz para entorpecer o [...]

  7. [...] como os paulistanos que inauguraram a Ponte Estagnada, os ciclistas canadenses transformaram o espaço de passagem motorizada em local de celebração e [...]

  8. [...] Vale lembrar que o Estilingão, além de uma ponte onde não circulam bicicletas ou ônibus, é o cenário do jornal local global [...]

Post a Comment

Your email is never shared. Required fields are marked *

*
*