II Pedalada Pelada em SP: a ousadia possível

00-felippe_wnbr_img_9346

fotos: felippe cesar / ciclourbano (exceto onde citado o autor)

No último sábado (14), diversas cidades do hemisfério sul do planeta participaram de mais u World Naked Bike Ride. Em São Paulo, a segunda Pedalada Pelada juntou algumas centenas de pessoas, que desfilaram pelas ruas de São Paulo “tão nuas quanto lhes foi permitido”.

Na avenida Paulista, a presença ostensiva da polícia constrangeu boa parte das pessoas a não tirar a roupa. Em uma dispersão auto-organizada, a massa seguiu fragmentada e por caminhos variados até o Monumento às Bandeiras. Só então pedalou de maneira fluida e agradável pelas ruas da cidade.

01-wnbr2009_by_carlos_alkmin_5419

foto: carlos alkmin

As primeiras notícias que chegavam da Praça do Ciclista na manhã daquele sábado eram desanimadoras. Antes do meio dia, a polícia já perfilava dezenas de veículos e homens nas calçadas de um lado da praça. Alguns oficiais circulavam avisando os presentes que toda nudez seria castigada.

02-panoptico_3356198057_4a2900a848

foto: panoptico

Do outro lado da rua, eram os veículos da mídia que ocupavam lugar proibido na via pública (em frente a um estacionamento, diga-se de passagem).

Na praça, o constrangedor circo midiático do ano passado começava a se formar com a profusão de humor sensacionalista, perguntas óbvias e ávidas lentes dispostas a sexualizar uma página de jornal ou mais alguns segundos da programação televisiva.

04-mario_amaya_img_5587

foto: mario amaya

Nos primeiros quarteirões, a massa andou lenta e confusa. Ficou confinada em duas pistas por motos, bicicletas e carros da polícia (incluindo uma base comunitária móvel) e cheia de reporteres, fotógrafos, cinegrafistas e urubus a pé.

03-felippe_wnbr_dsc_6220

O clima não era alegre e fluido como nas outras tantas pedaladas em grupo que acontecem na cidade. Além do anda e para causado pelo afunilamento da massa, a presença numerosa de policiais armados e dispostos a avançar sobre qualquer pelad@ não deixava o clima agradável.

03-felippe_wnbr_img_9366

De repente, um plano B começava a surgir em boatos que pareciam fazer muito sentido: no lugar da esperada volta na Paulista, a massa iria dispersar e se reencontrar em outro lugar para uma segunda concentração, sem cameras nem cassetetes.

05-thiagobiker_ck129

Livres, as bicicletas escorregaram em pequenos grupos até o Monumento às Bandeiras, em frente ao Ibirapuera.  Depois do novo encontro, corpos pintados, outros vestidos e alguns pelados partiram para a segunda e mais interessante parte da tarde, que durou algumas horas e pouco mais de 15km.

06-vadebike_dsc02273

foto: vá de bike

cmi-442803

foto: flecha / cmi

A metáfora da nudez do ciclista urbano, frágil e invisível quando vestido e foco das atenções quando pelado, não pode ser encenada na avenida mais importante da cidade. Uma boa reflexão sobre os valores e espaços em disputa por causa da Pedalada Pelada pode ser encontrada em dois artigos: este do site Nus pela Terra e esta matéria no Blog das Ruas, além de outros relatos e textos publicados fora da mídia corporativa.

A fuga da Paulista certamente levanta discussões sobre outros tabus e disputas importantes, mas a escolha do incosciente coletivo pela escapada talvez tenha garantido a visibilidade para os temas evocados, além de permitir que outros espaços da cidade fossem transformados pela passagem da colorida massa em uma bela tarde de sábado.

Com isso, mesmo sem a nudez em massa, as “reivindicações” dos participantes ganharam uma ou duas boas matérias na chamada “grande mídia”, além de uma dezena de imagens e notas de “infotenimento”. Milhares de pessoas nas ruas tomaram contato direto com aquela informação inusitada, demonstrando em 99% dos casos receptividade e apoio.

Além disso, a quantidade e a qualidade dos relatos, fotos, vídeos e comentários nos blogs, na mídia alternativa e nas comunidades virtuais segue crescendo, refletindo o desejo cada vez maior por outros horizontes, outras notícias e outras formas de vida para as comunidades reais.

É sábido que a ousadia não faz parte do pensamento dominante e que as reações às mudanças geralmente são rápidas e ferozes nestas terras. A presença de centenas pessoas pedalando livres e alegres naquela tarde de sábado acelera  e potencializa transformações inevitáveis, alterando perspectivas, estimulando consciências e dando forças e voz para a construção de outros paradigmas.

Se a Pedalada Pelada não quebrou tabus, rompeu cercas, encarou exércitos ou provocou combustão instantânea no hype da notícia, certamente contribuiu com mais um passo para a visibilidade de assuntos como mobilidade urbana, mídia, transporte, distribuição e uso do solo, consumismo, guerra, sustentabilidade, trânsito, violência, meio ambiente, nudez, propaganda, liberdade de expressão e outros tantos.

E que venha a terceira edição!

10-img_9371

08-mario_img_5934

foto: mario amaya

07-macaco_dsc02254

foto: macacoveio

09-dsc_6267

fotos: felippe cesar / ciclourbano (exceto onde citado o autor)


11-cmi-442817

foto: flecha / cmi

11-felippe_dsc_6275

cmi-442812

foto: flecha / cmi

12-felippe_dsc_6320

13-felippe_dsc_6333

14-felippe_dsc_6335

15-felippe_img_9376

16-felippe_img_9393

17-cmi-442818

foto: flecha / cmi


II Pedalada Pelada de SP – Relatos, fotos e vídeos

Error thrown

Call to undefined function ereg()