A praça do índio ciclista

2008-12-26-bicicletada-dezembro50

Na noite de terça-feira, os arautos do cinza reportaram que um perigoso elemento circulava nas terras de Piratininga com uma bicicleta de bronze.

No alerta audiovisual emitido pelos paladinos do espaço 100% comercializado, o tal “Francisco Miranda” foi imediatamente transformado em símbolo da cidade, ainda que nenhuma nota ou matéria tivesse sido publicada a seu respeito anteriormente. *

Acusado de venezuelano, o perigoso ciclista despertou a ira do general Pizarro, que mobilizou seus exércitos para impedir a fuga no meio do congestionamento de final de ano.

Como é de conhecimento geral, venezuelanos, coreanos, iraquianos, pichadores, palestinos, afegãos, mendigos, irlandeses e camelôs são povos bárbaros, perigosos, capazes de atrocidades como a utilização de bombas atômicas e armas químicas, apoio a golpes de estado, sabotagens e outras formas de terrorismo.

miranda_sem_bike

Depois de intensa batalha, as tropas de Pizarro conseguiram remover o perigoso objeto e prender o até então obscuro “general e poeta”.

O “venezuelano” alega ter sido torturado, mas o Departamento de Defesa dos Motores declarou que manter suspeitos de pé durante 24 horas do dia em câmaras gás de escapamento é apenas uma técnica de investigação, necessária quando os suspeitos se negam a fornecer informações.

O DDM afirma ainda que os gases utilizados no procedimento causam apenas problemas cardíacos, sedentarismo, redução da expectativa de vida, estresse, alterações comportamentais e problemas respiratórios, não representando qualquer tipo de ameaça física ou psicológica aos investigados.

Enquanto o sangue corria na Praça do Ciclista, do outro lado da avenida Paulista um índio observava a cena. Vítima da degradação do espaço público, peste que ameaça a província desde a imposição do Deus Carro pelos colonizadores, o último remanescente da tribo tentou apartar a briga e impedir a prisão de Miranda, alegando que bicicleta é um veículo que não polui, não faz barulho, não congestiona as ruas, permite a integração com o espaço público e com as outras pessoas e ainda faz bem a quem utiliza.

Mas tropas de Pizarro eram mais fortes e não queriam saber de veículos que não fossem os movidos a combustão. Auxiliados por mercenários anônimos (também chamados de Vândalos), mesmo sob o olhar atento da temida Guarda Real Metropolitana, roubaram o arpão do nativo e fizeram secar o riacho de onde vinha seu alimento.

praca_marcelo_do_campo_09

arte: Marcelo del Campo

O bravo índio não conseguiu impedir a prisão de Miranda. No entanto,  depois de uma batalha heróica, conseguiu resgatar um pedaço do artefato libertador, que levou consigo até sua morada na metade escura (e não patrocinada) da Praça Oswaldo Cruz.

O nativo lembrou-se então de um antigo feitiço ensinado pelo pajé de sua tribo, que seria capaz de reconstruir objetos danificados. Seguiu todos os passos da receita, mas a magia deu chabu: em vez de reconstruir o objeto, o ritual apenas transformou o material: a roda de bronze virou prata.

Segundo um especialista em feitiços, o ingrediente “ar” teria sido contaminado por monóxido de carbono, dióxido de enxofre, chumbo, partículas em suspensão e dióxido de carbono.

O Departamento de Defesa dos Motores também nega essa acusação e afirma que já está desenvolvendo fantasias tecnológicas para que ninguém mais acredite em bobagens como poluição, mudanças climáticas, desintegração do tecido social, abandono do espaço público, confinamento de idosos e cadeirantes ou que os  veículos motorizados representem algum perigo para as crianças.

O índio segue alerta com seu artefato de prata em mãos, escondido em alguma pedra da cidade e pronto para conter as novas investidas do general Pizarro.

A população paulistana, que aplaudiu as bicicletas de prata e de bronze, agora espera que a Profecia da Bicicleta de Ouro se torne realidade.

Segundo uma lenda nativa, um animal de ouro cairia do céu e, depois de transformar suas asas em rodas, sinalizaria aos habitantes da cidade que a tirania monoteísta do Deus Carro estaria perto do fim, trazendo de volta entidades místicas como o Bonde, o Ônibus de Qualidade, a Rede de Trilhos, as Calçadas Decentes, as Praças sem Cercas e Com Bancos, o Respeito aos Ciclistas, os Espaços Públicos Para a Convivência e até as quase extintas Faixas de Pedestres.

-

* A assessoria de imprensa do Departamento de Defesa dos Motores informou que o deslize com o nome de Francisco de Miranda (citado na nota do Diário Videoficial como “Francisco Miranda”) não representa tática de desinformação ou tentativa de colonização da informação disponível na internet, mas apenas um pequeno erro de fabricação que só afeta as notícias com os números de série entre 0059357/08 e 1358187/08. O órgão informa também que já providenciou o recall do estagiário defeituoso.

O Departamento de Promoção da Guerra da Segregação e da Caretice informou que age com a mesma presteza a qualquer reclamação ou denúncia de degradação do do espaço público, seja ela veiculada em horário nobre ou não.  Qualquer plebeu também pode solicitar pinturas de faixas de pedestres, ciclofaixas,  remoção ou autuação de automóveis estacionados sobre a calçada, instalação de bicicletários, conservação de calçadas e pontos de ônibus, remoção de lixo, podas de árvore ou retirada de correntes que ameaçam monumentos através do Serviço de Atendimento aos Colonos.

Curitiba: ciclofaixa não pode, propaganda pode
Vídeo: when seattle critical mass turns violent and the local media screw up the story

Share

15 Comments

  1. Posted 03/01/2009 at 1h31 | Permalink

    Nossa, Luddista, o texto ficou fantástico. Você temd e escrever mais “ficção”.

  2. Posted 03/01/2009 at 14h56 | Permalink

    Uau, impressionado com sua capacidade de imaginação!!

    Texto fantástico!

    Parabéns Luddista, reforço o pedido do Ulisses, deve escrever mais ficção!

  3. Sílvio
    Posted 03/01/2009 at 14h57 | Permalink

    O que eles querem dizer com “até agora ninguém assumiu a autoria da intervenção”? É impressão minha ou eles estão querendo associar FORMAlmente essa belezura com alguma espécie de atentado… não, é muita ingenuidade minha pensar nisso, devo estar viajando.

  4. Lou
    Posted 04/01/2009 at 13h32 | Permalink

    Muito massa! Parabéns pelo texto que, mesmo divertido, deixa transparecer a decepção com o poder público.

  5. goura
    Posted 04/01/2009 at 14h57 | Permalink

    genial genial!!

  6. Luis Fernando
    Posted 04/01/2009 at 15h43 | Permalink

    O pior de tudo é esse comentariozinho na reportagem:

    “A obra corre o risco de ser danificada pela corrente usada para prender o veículo.”

    Como tem gente medíocre trabalhando com mídia no Brasil!

  7. Posted 05/01/2009 at 12h12 | Permalink

    Ficou lindo esse texto… de arrepiar.

  8. Posted 05/01/2009 at 14h46 | Permalink

    Texto sensacional. Vc devia fazer desses com mais frequencia.

    … E que a profecia se cumpra…

  9. Marcelo
    Posted 06/01/2009 at 8h27 | Permalink

    Parabéns, Luddista! Belíssimo texto. A analogia do Deus Carro foi ótima. Como eu costumo dizer, não existe povo mais devoto ao seu deus do que o paulistano: são quilômetros de procissão todos os dias!
    Grande abraço!

  10. Matias
    Posted 06/01/2009 at 17h31 | Permalink

    rrrrrrrrrrrsssssssssss bom pra cacete!!

  11. icthecat
    Posted 07/01/2009 at 9h39 | Permalink

    Comandou o batatal em chamas meu amigo….hehehehehehehee

  12. Márcio Campos
    Posted 12/01/2009 at 18h21 | Permalink

    Pois é, na próxima arte-intervenção é só colocar um tubo plástico para proteger a corrente que envolverá o heróico Francisco, esse sobrevivente incólume da câmara de gás mais cara do Brasil. Então não haverá mais argumentos contrários “ao vandalismo”, certamente.

    Abraços acorrentados que protegem de fato.

    Márcio Campos

  13. Posted 30/01/2009 at 10h08 | Permalink

    Fabulosamente bem escrito!

    Sucesso na cruzada!

  14. siqueira
    Posted 20/02/2009 at 19h17 | Permalink

    De lo grande carajo este texto… Graças ao artista que veio correr a São Silvestre, o indio tem algo nas mãos pra poder caçar ratos no lago seco…
    Salve Marcelo del Campo

  15. KARARYU - O DRAGÃO FANTASMA
    Posted 12/04/2009 at 13h43 | Permalink

    Os verdadeiros mestres das artes estão excluídos da mídia massificante. Um texto espetacular e antológico.

3 Trackbacks

  1. […] três meses para o G1 descobrir uma intervenção que foi feita num monumento aqui em São Paulo. E, mesmo […]

  2. […] mesma estátua), a “Profecia da Bicicleta de Ouro” se concretizou, conforme previsto neste antigo manuscrito. Enviado por:  Willian Cruz – Categoria: Sem categoria Tags relacionadas:  […]

  3. […] voltou; os gradis de proteção também não foram reinstalados; e a bela bicicleta com a qual o índio venezuelano foi homenageado foi […]

Post a Comment

Your email is never shared. Required fields are marked *

*
*