Questão gramatical


142 páginas de anúncios e cadernos especiais de três montadoras
prometendo felicidade, dinheiro e um mundo perfeito
nos três maiores jornais de SP no sábado seguinte ao Dia Sem Carro

Ocultar a destruição ocasionada pelo uso excessivo dos automóveis com malabarismos lingüísticos é tarefa importante da mídia. Congestionamentos e poluição geralmente são tratados como fenômenos naturais, algo que simplesmente acontece, como a chuva.

Mortes no trânsito, ainda que tenham como principal razão o excesso de velocidade e o comportamento do motorista, são chamadas de “acidentes”, como se todas as condições prévias não estivessem dadas.

Duas notícias da Folha de São Paulo:

Pedestre morre atropelado na Vila Olímpia

Ônibus bate em poste e deixa feridos na zona norte de São Paulo

No primeiro caso, o agente da frase é o pedestre, ou seja, parece que o cidadão se matou ao ser atropelado por um carro. Testemunhas relataram que o homicida estava em alta velocidade. Logo, o título mais óbvio e completo para a notícia seria “motorista em alta velocidade mata pedestre na Vila Olímpia”.

Na segunda notícia, quem pratica a ação na frase é o ônibus, veículo dedicado àqueles que não conseguem comprar carro, portanto passível de atrocidades como atropelamentos.

Enquanto os feridos pelo ônibus ganham justa “inocência gramatical” no título escolhido pelo jornalista, a vítima fatal do automóvel ainda foi tratada como sujeito da ação (“pedestre morre”).

(dica: Danilo Martinho May)

Share

6 Comments

  1. Sérgio
    Posted 31/10/2006 at 18h01 | Permalink

    É melhor não provocar os maiores anunciantes noticiando que os produtos deles matam, ferem e destroem a paisagem urbana, não é mesmo?

  2. Anderson
    Posted 31/10/2006 at 19h53 | Permalink

    Eh interessante notar como estao matando a lingua portuguesa. Impressionante mesmo! De que adianta aprender no colegio a fazer frases bem construidas, com todos os apetrechos que a lingua oferece, se o bombardeio de revistas e jornais com noticias totalmente controversas, atribuindo a acao do fato a outrem. Esse redatores devem sofrer alguma lavagem recebral para exercerem seu trabalho, ou sao burros mesmo.
    Abracos.

  3. Willian Cruzhttp://freeride.blig.com.br
    Posted 31/10/2006 at 22h30 | Permalink

    Sem contar que no segundo título parece que o ônibus bateu sozinho, não tinha ninguém dirigindo… É sempre o pedestre que morre e o carro que bate, o motorista nunca faz nada. É bem mais difícil ver um título de notícia dizendo “motorista de ônibus bate em poste”, como se não precisasse ter um humano dirigindo a máquina.

  4. Willian Cruz
    Posted 31/10/2006 at 22h30 | Permalink

    Sem contar que no segundo título parece que o ônibus bateu sozinho, não tinha ninguém dirigindo… É sempre o pedestre que morre e o carro que bate, o motorista nunca faz nada. É bem mais difícil ver um título de notícia dizendo “motorista de ônibus bate em poste”, como se não precisasse ter um humano dirigindo a máquina.

  5. Danilo Martinho May
    Posted 03/11/2006 at 12h32 | Permalink

    Obrigado pelo crédito da notícia. Peço a gentileza somente de corrigir meu sobrenome que é Martinho. Grande abraço.
    OBS: Esse tipo de notícia sempre sai desta forma não é mesmo??

  6. luddista
    Posted 03/11/2006 at 19h37 | Permalink

    Corrigido o sobrenome, desculpe a falha.

Post a Comment

Your email is never shared. Required fields are marked *

*
*