Bicicletada de maio: ocupando as ruas

Última sexta-feira de maio, mais de 20 pessoas na Praça do Ciclista para celebrar o transporte sustentável, o espaço público e a convivência entre as pessoas.Panfletagem, troca de idéias e articulação de atividades.

Depois da concentração lúdico-educativa na praça, os participantes decidiram ir até a USP conhecer a ocupação da reitoria.

No meio do caminho, massa crítica no Drive Thru, panfletagem, conversa, lazer e diversão na sexta-feira gelada em São Paulo.

As placas instaladas no Dia Sem Carro 2006 continuam por lá.

A Parada Praça do Ciclista, inaugurada em fevereiro, também permanece intacta.

Na Praça do Ciclista, em vez de poluição publicitária, o usuário de ônibus dispõe de informações completas sobre os itinerários dos coletivos que passam pelo local.

Luzes para a escolta não-motorizada.

Imagens

Informação

Enquanto isso, no “buraco da Paulista”, outras vinte e poucas pessoas angustiadas por não sair do lugar desperdiçavam espaço público, recursos naturais e dinheiro dentro de seus veículos do século passado.

A massa nas ruas.

Panfletagem e conversa para aliviar a solidão escurecida dos motoristas.

Desmontados de suas bicicletas, os participantes atravessam a faixa de pedestres na avenida Santo Amaro.

Massa crítica no Drive Thru.

Olhando o cardápio.

Nada interessante, seguimos adiante.
Afinal, quem fica parado é poste ou motorista.

Paraciclo na reitoria da USP.

Reitoria ocupada na USP. Sem entrar no mérito das reivindicações, depois da visita ficou apenas uma certeza: a mídia mente.Ao contrário do sensacionalismo dos “grandes” veículos, que tentam caracterizar os ocupantes como vândalos baderneiros, o que vimos por lá foi muita organização, criatividade, discussão política e convivência entre as pessoas.

No interior do prédio nada foi quebrado ou depredado como afirmam os conglomerados de mídia de massa, ansiosos por um desfecho violento que possibilite o terrorismo midiático das tradicionais matérias sobre o “confronto com a PM”. Mostrar a violência para impedir a discussão. Felizmente, não é esse o clima na USP.

Atendendo ao pedido dos ocupantes, que temem ser criminalizados por sua ação de desobediência civil, não tiramos fotos no interior da ocupação. Se quiser saber mais sobre o assunto, desligue a televisão (aliás, você ainda se informa pela tevê?!) e visite o blog da ocupação ou o centro de mídia independente.

Privado X público.

Depois da visita à reitoria ocupada, os participantes da bicicletada subiram no relógio da USP.

Lá de cima, sob a lua do inverno, um comentário fechou com chave de ouro a bicicletada de maio: “ainda dá pra ouvir os carros”.

álbum de fotos
vídeo
bicicletadas de maio pelo mundo

Share

One Comment

  1. Lilx
    Posted 28/05/2007 at 5h08 | Permalink

    Faltou comentar que essa foi a primeira Bicicletada com a participação de um americano que já participou das Massas Críticas de NY e Londres (uma com mais de 1000 pessoas)! Ele nos achou através da internet.

One Trackback

  1. […] ao morador de rua morto por um automóvel no último dia 25 de maio, madrugada que antecedeu a bicicletada daquele mês. O homem, de nome ainda não descoberto, foi morto enquanto […]

Post a Comment

Your email is never shared. Required fields are marked *

*
*