As cercas da vergonha

destruindo_muros.jpg

Vandalismo, “acidente” ou apenas uma porta aberta para o exercício do direito de ir e vir?

Uma boa quantidade de dinheiro está sendo gasta em estruturas de “disciplinamento” de pedestres.

A quantia poderia ser investida na pintura de faixas, em calçadas decentes ou na instalação de semáforos específicos, estruturas que realmente visam a segurança dos transeuntes.

Atravessar fora da faixa pode não ser legal, mas é absolutamente legítimo em uma cidade que considera pedestres cidadãos de quinta categoria.

Ou será que legítimo é ter 10 segundos para atravessar quatro pistas, esperar 3 minutos no canteiro central e depois ter mais dez segundos para atravessr as outras quatro?

Quem anda a pé não polui, não congestiona as ruas, não mata ninguém atropelado, interage com a cidade e ajuda a manter a vida no espaço público.

Quem deve ser domesticado é o automóvel, não o pedestre. A inversão desta lógica destrói a cidade, causa mortes e acaba com o espaço público.

Seguindo a observação astuta do Betones nos comentários, adiciono como “PS” a sugestão: arrancar e reposicionar as cercas em locais mais úteis, transformando-as em belos paraciclos por toda a cidade.

Pedestre não mata motorista
O pedestre que se dane
Repressão preventiva

Compartilhe

9 Comments

  1. Posted 07/12/2007 at 7h06 | Permalink

    Tudo o que escreves parece que falas de Lisboa.
    Um peão para fazer um percurso perde grande parte do tempo à espera por causa dos automóveis, mas os automóveis poucos segundos por causa dos peões. E depois é um escândalo quando o peão quebra as regras…

  2. Anderson
    Posted 07/12/2007 at 9h13 | Permalink

    Na verdade vale a máxima: “O pedestre que se dane…”

    Aqui, tem semaforos em que mal abrem para o pedestre atravessar e quando fecha, voce nao conseguiu atravessar toda a faixa. Lamentável a cultura dos mamutes urbanos de 2 toneladas.

  3. Roberto
    Posted 07/12/2007 at 9h53 | Permalink

    Devíamos arrancar todos, e instalá-los em lugares melhores com o nome de paraciclos. Vocês já perceberam que esses gradis tem o formato quase exato de paraciclo?

    Faremos do limão uma limonada!!!

  4. kcnirva
    Posted 07/12/2007 at 10h55 | Permalink

    Os fardados talvez chamem de vandalismo, mas pra eles pintar ciclofaixa é “crime ambiental”, então é lícito desconsiderar a opinião dos ditos-cujos.

    Já eu concordo com o Luddista, é o mais legítimo exercício de cidadania e do direito constitucional de ir e vir.

  5. Posted 07/12/2007 at 14h07 | Permalink

    Alguns desses absurdos de desrespeito ao pedestre deve ser totalmente reprovado… Gostei da ideia de transformar isso em paraciclos!!!

  6. Alexandre Afonso
    Posted 07/12/2007 at 16h27 | Permalink

    Alguem já reparou nos gradis em frente ao Milk Melow (sei la se escreve assim) ali na na cidade jardim, quem precisa atravessar do parque do povo em direção a faria lima conta com uma passarela para levalo ao sentido exatamente oposto… e os carros que ver da oscar, entram a direita como se fosse o S de interlagos….
    Pior ainda é tentar atravessar as pontes.. alguém já tentou fazer isso a pé?

  7. Luis
    Posted 08/12/2007 at 21h06 | Permalink

    Quem é o irracional: o pedestre “indisciplinado”, que se recusa a usar a sua energia para satisfazer a necessidade de “pista limpa”, ou o planejador urbano que concede toda a preferência ao motorista carregado pela máquina de no mínimo 70 cavalos e 700 kg?

    Se essa classe de cidadãos – os motorizados – deseja “pista limpa”, deve contribuir para que esse isolamento viário se concretize sem trazer prejuízo aos demais, ou, no mínimo, compensando ou ressarcindo aos não motorizados.

    Isso inclui, por exemplo, melhorar as passarelas, onde os pedestres são obrigados a gastar uma grande dose de energia corporal para livrar a pista para os que não querem gastar a própia energia (a não ser nas academais), sendo carregados pelas dezenas de cavalos e centenas de quilos citadas. Por que não cobrar dos motoristas a instalação de elevadores e passarelas decentes? Por que não cobrar dos motoristas o entunelamento das vias, para não incomodar aos demais cidadãos com o seu ruído infernal e permanente, sua fuligem, sua raiva contínua?

  8. reciclocidade
    Posted 09/12/2007 at 19h52 | Permalink

    O que eu não consigo entender é porque tudo que fazem na cidade parece piorar.

    Moro proximo a avenida sumaré, era excelente para o trafego de carros e raramente via acidentes na mesma, ja para os pedestres era ruim, poucas faixas e travessias longes umas das outras. A pouco tempo (não lembro ao certo) colocaram a faixa de moto, ja vi mais de 10 motoqueiros caidos porque alguem tenta cruzar a avenida (muitas vezes carros oficiais, policia e até ambulancias). Os pedestres ganharam vários cruzamentos, o que aumentou o numero de fárois na avenida e acabou com o trânsito fluido que existia na mesma. Por outro lado os pedestres ganharam os motoqueiros como “inimigos” as motos passam coladas no canteiro central (na faixa de moto) o problema é que os pedestres ainda atravessam fora das faixas (muitas delas foram mal projetadas e os farois são SUPER rapidos para pedestres) e os motoqueiros acabam por atropelar os pedestres. A tempos um pedestre ficou UMA HORA E MEIA embaixo da CHUVA atropelado, esperando resgate que não vinha (devido ao trânsito causado pela chuva) e pela avenida congestionada. Detalhe: Os carros que param na primeira faixa (PERMITIDO) acabam por atrapalhar mais ainda o trânsito, manobrando e parando no meio da avenida.

    Concordo que melhorou para os pedestres, mas estragaram a UNICA avenida que eu NUNCA tinha visto com trânsito em Sampa e de tabela transformaram pedestres e motoqueiros em inimigos e ambos alvos de carros que tentam fazer o retorno proibido a cada esquina. Como desgraça pouca é bobagem: a “CICLOVIA” que existe no canteiro central, tem LOMBADAS (PRA QUE ISSO?) antes de cada cruzamento, não terminaram as obras dela e metade da avenida pra frente ela é de terra (o que eu acho até legal porque precisamos de PERMEABILIDADE no solo) mas por outro lado torna a mesma impraticavel para pessoas de idade e outros que andam na ciclovia a pé, por conta dos buracos e raizes das arvores.

  9. Posted 10/12/2007 at 14h23 | Permalink

    Gostei da opinião do Roberto! :D

2 Trackbacks

  1. By Você sabia que… « Reciclocidade on 09/12/2007 at 13h12

    […] Já que as autoridades responsáveis não estão garantindo a circulação segura de ciclistas e de pedestres, você pode fazer a sua parte. Respeite para ser […]

  2. […] As cercas da vergonha – Medidas “disciplinatórias” de pedestres […]

Post a Comment

Your email is never shared. Required fields are marked *

*
*