Diálogo entre pai e filho

Daqui centenas de anos, quiçá dezenas de anos, um diálogo entre um pai e seu
filho ocorrerá dentro de um museu:

- Pai, o que são essas máquinas?

- Eram chamadas de automóveis, meu filho. Serviam para levar os humanos para
diferentes lugares.

- Mas parecem tão grandes e pesados? Quantos humanos levavam?

- Bom, algumas dessas máquinas eram feitas para carregar até 40 pessoas, mas
a maioria, como essas aí, levava só uma.

- Só uma?

- E a máquina pesa mais ou menos 1 tonelada e meia. À vezes mais.

- Que coisa de doido!

- Sim, meu filho, coisa de doido.

- E eram movidas a fusão a frio? Eletricidade?

-Não, isso não existia não. Usavam um tipo de combustível fóssil, um tipo de
óleo retirado da Terra. O motor usava esse combustível com explosão.

- Explosão?

- É, esse querosene antigo explodia dentro do motor e movia umas manivelas,
uns pistões, e a coisa toda andava.

- Queimando querosene?

- Exatamente. Mas não se pode chamar de uma solução elegante. O rendimento
era baixíssimo, coisa de 5, 10% da energia se transformava em movimento.

- E o resto?

- Barulho, calor, e muito CO.

- Mas que máquina estúpida!

- Bom, meu filho, o ser humano passou por isso. Não sei se foi mesmo
preciso, mas aprendemos com a coisa.

- E como andavam? Onde circulavam esses automóveis?

- Em vias, feito pequenos caminhos.

- Como túneis?

- Não, como caminhos mesmo. Não haviam proteções ao lado destes caminhos. As
pessoas ficavam ao lado destes caminhos.

- Mas a que velociadade iam essas máquinas de 2 toneladas?

- Quando não estavam paradas por causa do excesso de automóveis nos caminhos, 60, 80 km por hora. Em alguns caminhos especiais iam a 100, 120 km por hora.

- Com as pessoas ao lado? E uma dentro? Numa máquina de 2 toneladas toda de
aço? Não era perigoso? Não morria ninguém?

- Sim, meu filho. Morria muita gente. Muita gente mesmo.

- Pai! como era estranho esse passado!

- Vamos seguindo, meu filho. Logo ali tem uma mostra da arquitetura do
século 13. Há algumas réplicas de seus calabouços…

Compartilhe

Post a Comment

Your email is never shared. Required fields are marked *

*
*